quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

SISTEMA SOLAR EM FORMAÇÃO
"Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma." (Antoine Lavoisier.)
"Deus não joga dados com o universo." (Albert Einstein.)
Para tudo há começo, meio e fim.
Foi assim que, em determinado momento da eternidade, seres dos mundos invisíveis começaram a executar os planos divinos da criação nesse setor do infinito universo.
E assim inicia-se a condensação, do mais sutil para o mais concreto, onde partículas invisíveis, para quem está na terceira dimensão, começam a aglomerar-se pela visualização criadora dessas inteligências a serviço do plano divino, formando desse modo uma grande nuvem composta de vários elementos.
Esses elementos são partículas atômicas infinitamente pequenas, que vão se agrupando; girando e criando atritos, até formar uma gigantesca bola de massa pastosa com temperatura elevadíssima.
Simultaneamente ao referido processo, essa bola vai ganhando consistência e começa a girar devagar sobre o próprio eixo e a se deslocar no espaço.
Com o aumento dos giros, e aumento do deslocamento, chega-se ao ponto de haver uma explosão.
Essa explosão é o desprendimento de pequenas migalhas que vão posicionar-se em determinadas distâncias do núcleo criador, mas ficando preso ao campo magnético do mesmo.
Assim também, essas pequenas migalhas a que nós chamamos de planetas, vão girando sobre seus próprios eixos e circundando o núcleo central.
E tal qual o núcleo central, essa bola pastosa incandescente também solta de si pequenas migalhas a que denominamos luas.
Luas, que também ficam presas ao campo magnético do planeta, ou, pela força gravitacional, o planeta captura migalhas de fora.
Os planetas são criados no mesmo tempo; desprendem-se do corpo original quase ao mesmo tempo.
Entretanto, dependendo do tamanho e distância, estes planetas têm uma vida mais curta ou mais longa.
Isso é o que os cientistas chamam de explosão de uma supernova, ou seja, a recente formação de um novo sistema solar em algum ponto do infinito universo.
Como se pode notar, a teoria do “Big Bang”, a grande explosão original que formou as incontáveis galáxias, nunca existiu.
O que houve foi que alguém lançou, um raciocínio equivocado e todos o seguiram.
No infinito universo de Deus, não existem mistérios nos processos da criação.
Assim como, uma pequena planta surge do aparentemente nada, vive algum tempo e depois desaparece, voltando para o aparentemente nada, também assim são os gigantescos sóis e seus planetas.
Sois e planetas nascem do aparentemente nada, têm juventude, idade madura e velhice; porém, decompõem-se para voltar ao aparentemente nada de onde vieram.
Esta é a eterna vida de Deus, agrupar-se e desintegrar-se em variadas formas.
“Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.” (Lavoisier.)
A única diferença entre o aparecer e o desaparecer, é que o processo da pequena planta leva alguns anos, e o processo dos sóis e planetas leva muitos bilhões ou trilhões de anos.
O que representa muito para o nosso limitado nível de compreensão.
O surgimento dos oceanos, também não é mistério; porque assim que o planeta atingiu um determinado grau de esfriamento, teve início a formação de vapores de água.
Essas pequenas gotas foram se acomodando nas partes mais profundas do planeta, assim formando pequenos lagos.
Lagos que depois de muitas eras chegou ao nível dos atuais oceanos.
Foi a partir dessa composição atômica, a que chamamos de hidrogênio e oxigênio que tudo teve início.
Foi daí que surgiram os micro-organismos para a formação dos reinos vegetal e animal.
Tanto o reino vegetal quanto o animal, se desenvolveram a partir de micro-organismos, invisíveis aos olhos físicos.
É um erro pensarmos que árvore, dinossauro e baleia surgiram dessa forma que conhecemos.
A reposta é sempre a mesma; tudo se desenvolveu pela transmutação e metamorfose dos micro-organismos.
Milhões e bilhões de anos foram necessários para se chegar a essa grande diversidade de vegetais e animais dos dias atuais.
E muitas formas de vida animal e vegetal surgiram e desapareceram sem que tenhamos conhecimento.
Depois dessas palavras devemos falar também sobre o petróleo.
Mas antes de falarmos sobre a origem do petróleo, devemos esclarecer mais sobre os oceanos.
Do nível mais baixo até a superfície, são onze mil metros, mas demorou centenas de milhões de anos para atingir a quantidade de água atual.
Como todos nós sabemos a terra é cheia de cavidades como um queijo suíço.
Há muitos milhões de anos, nos níveis de centenas e milhares de metros abaixo do nível atual das águas, era tudo terra firme.
Nessas terras viviam grandes quantidades de animais.
Assim que esses morriam, suas gorduras eram derretidas e filtradas para o interior da terra, ficando depositadas nas cavidades deste queijo suíço.
Mas, esta filtragem era mais favorecida nas regiões arenosas, como se pode comprovar pela abundância de petróleo nestes locais, tanto nas regiões submarinas como nos continentes.
Com o passar de milhões de anos, este óleo dos animais mortos passou a ter uma consistência negra pegajosa, ou seja, o próprio petróleo.
Então, as águas foram subindo e estas jazidas de petróleo ficaram submersas a centenas de metros.
Esta é a verdadeira origem do petróleo e do gás, quer seja nos continentes ou nas profundezas dos oceanos.
"Ciência sem Religião é paralítica. Religião sem ciência é cega." (Albert Einstein.)
“A religião do futuro será cósmica e transcenderá um Deus pessoal, evitando os dogmas e a teologia.” (Albert Einstein.)
Veja o livro:O HOMEM DE DEUS


sábado, 19 de fevereiro de 2011

Viajando por luas e planetas (uma farsa).
Viajando por luas e planetas (uma farsa).
No livro A consciência plena, deparamos com uma afirmação que causa impacto e é difícil de aceitar.
Lá, é dito que o homem não pisou no solo lunar.
Esta afirmação nos leva a pensar.
Teriam desenvolvido a tecnologia de descer e subir verticalmente?
Aqui, a cápsula espacial tinha de ser lançada de paraquedas no oceano, sinal de que não tinham a tecnologia.
Se eles não voltaram lá depois de tantos anos e tantos avanços tecnológicos, podemos concluir que tudo não passou de uma encenação cinematográfica.
A mentira precisa ser guardada a sete chaves, mas pesquisadores fazendo uso das fotos e filmes da NASA têm mostrado os detalhes da farsa.
Google está por perto, basta pesquisar para ter acesso.
Futuramente sim, irão pousar na lua como também em Marte...
Tanto a Lua como Marte já tiveram vida como no nosso planeta.
Mas, por serem bem menores que a Terra, o esfriamento foi logicamente mais rápido.
Para que haja vida num planeta ou lua, é preciso que haja uma combinação de fatores.
Qual sejam, um ponto do esfriamento desses fragmentos que se desprenderam do sol, bilhões de anos atrás, e o próprio calor do sol, que esquenta e esfria (dia e noite).
Os planetas e luas são filhos do sol, ele os criou e os mantém.
Não é que o sol tenha vida eterna.
Também ficará velho e morrerá, para deixar de existir como objeto tridimensional.
Nos mundos dimensionais superiores a vida é eterna, ou seja, não existe nascimento e morte.
Viemos desses mundos para cumprirmos um breve estágio na terceira dimensão, mas nós voltaremos para lá.
Este é o destino de todos nós.
A concepção do “aqui e agora” é muito forte em nós e não nos deixa pensar em termos de bilhões e trilhões de anos.
Esse “aqui e agora” é tão forte e limitador a ponto de nos impedir imaginar que as manifestações divinas são eternas.
Que sóis, planetas, luas e cometas surgiram do aparentemente nada, e voltarão para o aparentemente nada.
Às vezes, procuramos mostrar ser aquilo que não somos.
Os lideres das nações, às vezes, procuram usar este mesmo expediente para mostrar supremacia.
Na expectativa de um ataque devastador, no auge da “Guerra Fria”, tanto os Estados Unidos quanto a Rússia tentaram impressionar o mundo com as tecnologias e os poderes que eram pura ficção.
Enquanto um país fazia desfiles monumentais com foguetes de papelão, a outra nação simulava viagens para a lua, numa época em que a tecnologia espacial estava apenas na sua infância.
Eles poderão pousar e explorar a lua, se fizerem grandes veículos espaciais para transportar pequenas aeronaves as quais descem e sobem verticalmente.
Aí sim, a ficção do filme “Guerra Nas Estrelas” passará a ser realidade.
A história oficial tem muitas inverdades ou verdades arranjadas.
Professores e alunos convivem com essas coisas e aceitam passivamente, o que é até “normal”, porque não estamos acostumados a questionar.
Este é o mundo dos homens.
Um mundo de mentiras e falsidades, diferentemente dos mundos divinos, onde não se conhecem manobras de consciência.
Os americanos são muito bons em filmes de ficção, disso ninguém duvida.
É também lógico que existem aqueles que querem aparecer de alguma forma tentando provar que tudo foi real e até mesmo aqueles que são pagos para confirmar a farsa.
“Quem busca a verdade deve questionar tudo.”
Aqueles que aceitam tudo sem questionamento ficam proibidos de acessar os vídeos.

FOX-Homem na Lua (a farsa) 1-5

NASA - IMAGENS REAIS - Você ainda acredita que o homem pisou na lua?